terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

02/02

Olho pro lado e vejo uma pequena concha. Qualquer um que passe e veja não veria nenhuma diferença nela, mas ao meu ver é a concha mais bela de todas que um dia eu já encontrei. Exagero. Não necessariamente a mais bonita, mas a que mais chamará minha atenção. Branquinha com poucos traços escuros. Quando eu a encontrei, com certeza não era um dos meus melhores dias, sentei na areia e olhei pro nada por um bom tempo. Pensei sobre tudo e todos, viajei, se bobear filosofei. O horizonte sempre me hipnotizou, pode ser uma coisa boba, mas quando eu o vejo imagino histórias de outras pessoas, histórias de famílias ou pessoas solitárias que vivem longe daquele horizonte que eu consigo ver. Quanta coisa eu ainda quero/preciso ver e eu aqui, apenas imaginando. Daí que sem querer eu desviei meu olhar e caí nessa conchinha pequena e insignificante, e acabei achando parecida comigo. Pequena e insignificante diante da grandeza do resto do mundo.
Engraçado como de tantas outras conchas, quem sabe até mais bonitas, e eu acabei escolhendo aquela. Quem sabe algo maior não acaba me encontrando ;)



*The Who - getting in tune
*Adriana Calcanhoto - Fico assim sem você
*Biquinão - Vento Ventania
*Cidadão Quem - Pinhal (*-*)

2 comentários:

Senhor B. disse...

Nossa isso tudo sobre uma concha.... (maldita personificação) tá né XD vamos entrar na brincadeira....

é quando eu não se tem concha pra escolher o que se faz?

Aline Moschen disse...

Eii Ori, te achei por aqui. Parabéns pelo texto , e não liga não, você viaja com uma concha e eu viajo com qualquer coisa, nem que seja uma formiga. hauhauahu. #ÉNORMAL. Beijo

Postar um comentário